6 mulheres incríveis para se inspirar

[rl_gallery id=”85″]

1) Chimamanda Ngozi Adichie

Nascida na Nigéria, Chimamanda Ngozi Adichie é um dos principais nomes da literatura contemporânea. Enquanto estudava nos EUA e se especializava em Escrita Criativa e Estudos Africanos, Chamamanda lançou obras importantes e premiadas, como “Hibisco Roxo” e “Meio Sol Amarelo”. Além de falar sobre a África, o feminismo e a igualdade também são temasrecorrentes nas palestras de Chamamanda.

Inclusive parte de seu discurso no TED Talks 2012 – intitulado “Nós deveríamos ser todos feministas” – entrou na faixa “Flawless” da cantora norte-americana Beyoncé.

[rl_gallery id=”87″]

2) Malala Yousafzai

Malala não é apenas uma ativista em prol da educação de meninas em todo mundo, ela é a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da Paz e uma sobrevivente. Nascida e criada na região do Vale do Swat, no Paquistão, Malala foi vítima de um atentado que quase tirou a sua vida.

Aquela região vivia e ainda vive sob o domínio do Talibã, grupo islâmico radical. Entre tantas coisas, o Talibã proibiu que meninas fossem à escola e tivessem uma educação formal. Esse foi o estopim para que Malala escrevesse um artigo para a BBC sobre como era viver naquele regime e lutar todos os dias para estudar, mesmo escondida.

Em 2012, enquanto voltada para casa em um ônibus escolar com um grupo de meninas, o veículo foi atacado por um membro do Talibã. Malala foi atingida com um tiro na cabeça e passou meses internada na Inglaterra.

Hoje, aos 21 anos, a jovem paquistanesa sonha em voltar ao seu país natal e segue militando pela causa de outras tantas meninas que ainda são proibidas de estudar. A jovem também investe em projetos sociais e educacionais pelo mundo, principalmente no Oriente Médio.

[rl_gallery id=”91″]

3) Zilda Arns

Nascida no interior do Paraná, Zilda Arns é um exemplo de amor e dedicação ao próximo. Formada em Medicina, Zilda era pediatra, sanitarista e foi uma das criadoras da Pastoral da Criança. O projeto – uma parceria com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) – nasceu em 1983 com o objetivo de promover o desenvolvimento integral de crianças entre 0 e 6 anos de idade em seu ambiente familiar e em sua comunidade.

Até hoje, a Pastoral já atendeu, cuidou e promoveu a saúde de milhões de crianças no Brasil e se expandiu para países da América Latina, da África e da Ásia. Além da Pastoral da Criança, Zilda Arns também criou a Pastoral da Pessoa Idosa, promovendo assistência e acompanhamento para pessoas com mais de 65 anos em mais de 500 municípios brasileiros.

Zilda faleceu em 2010. Ela foi uma das milhares de vítimas fatais do terremoto que destruiu o Haiti. Na ocasião, Zilda estava no país em Missão Humanitária para introduzir a Pastoral da Criança. Ela ministrava uma palestra para médicos cubanos em uma igreja quando o terremoto derrubou a edificação. Zilda morreu na hora, mas a sua história continua viva. Seu legado foi tão importante que em 2011 ela foi indicada postumamente ao Prêmio Nobel da Paz e em 2012 foi eleita a 17ª maior brasileira de todos os tempos.

[rl_gallery id=”84″]

4) Anitta

Nascida e criada em Honório Gurgel, subúrbio da cidade do Rio de Janeiro, Anitta é uma inspiração quando falamos de foco, metas e trabalho duro. Da carreira como funkeira da Furacão 2000 até os primeiros passos para a carreira interacional, Larissa, nome de batismo da cantora, tomou decisões corajosas, mas importantes para o seu crescimento: demitiu a empresária alegando não receber corretamente, começou a administrar a própria carreira e foi colhendo os frutos do empreendedorismo.

De 2012 até hoje, Anitta acumula 3 álbuns de estúdio, prêmios internacionais, parcerias com artistas da América Latina, EUA e Europa, turnês nacionais bem-sucedidas, shows internacionais e reconhecimento de meios de comunicação especializados por todo o mundo. Tudo isso com apenas 25 anos. Com certeza o futuro reserva coisas incríveis para uma jovem que começou, desde cedo, a empreender e entender qual seria a melhor forma de administrar os próprios passos.

[rl_gallery id=”88″]

5) Maria da Penha

Maria da Penha não é apenas o nome da lei de enfrentamento à violência contra mulheres no Brasil. Maria da Penha é o nome de uma mulher brasileira forte e resiliente. Vítima de violência doméstica por 20 anos, Maria da Penha sofreu agressões e duas tentativas de homicídio – inclusive uma que a deixou paraplégica – até criar coragem para denunciar o ex-marido à polícia. Foram anos e anos de luta para colocá-lo na cadeia, chegando inclusive a pedir ajuda de órgãos internacionais já que a justiça brasileira não colaborava para a resolução do caso.

A Lei Maria da Penha foi sancionada em 2006 e é tida pela Organização das Nações Unidas (ONU) como uma das 3 melhores legislações do mundo no enfrentamento à violência contra as mulheres. Além disso, a lei foi o primeiro passo para que a violência doméstica e o feticídio no Brasil virassem, realmente, caso de polícia e suas vítimas conseguissem resolução e justiça depois de tanto sofrimento.

[rl_gallery id=”89″]

6) Oprah Winfrey

Negra, pobre, filha de país adolescentes e vítima de violência sexual durante parte da infância e da adolescência, Oprah Winfrey é um dos maiores nomes do entretenimento norte-americano e mundial. Influente e querida por pessoas em todo o globo, Oprah é uma prova de que podemos superar toda qualquer adversidade.

Depois de uma infância difícil, de ser abusada física e sexualmente por tios e primos, de ter engravidado aos 14 anos – o bebê morreu após o nascimento – e ter sido expulsa de casa pela mãe, Oprah deu a volta por cima. Após terminar o ensino médio, ela ganhou uma bolsa de estudos da Tennessee State University para estudar Comunicação. Anos mais tarde, em 1986, Oprah começaria o seu próprio show, o The Oprah Winfrey Show que quebraria recordes de audiência nos EUA, conquistaria vários prêmios e abordaria temas importantes como assédio sexual e violência contra a mulher.

O programa terminou depois de 25 anos no ar, mas Oprah abriu a sua própria emissora de TV, a OWN (Oprah Winfrey Network) e também produz vários filmes para o cinema, como “Preciosa: Uma História de Esperança” e “Selma: Uma Luta Pela Igualdade”. A apresentadora e empresária tem um patrimônio avaliado, segundo levantamentos da revista Forbes, de 3 bilhões de dólares.

Todas essas histórias só nos fazem ter certeza que somos fortes, não é mesmo?

Fonte: Tribuna de Minas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.